Compartilhe
facebook twitter gplus

Viaje Sem Sair de Casa: Butão

25/03/2020

Este é um momento para cuidarmos um do outro, para estarmos com a família e aquietarmos a mente. Para viajar, nem sempre precisamos sair de casa. No projeto Viaje Sem Sair de Casa, reunimos conteúdos superbacanas para você aproveitar com a família. Que tal conhecer o que cada destino tem de mais interessante? Da gastronomia a dicas de filmes e livros - tudo o que você precisa pra curtir um pedacinho do mundo na sua própria casa e conhecer outros lugares sob novas perspectivas. Boa viagem!
 

Butão - Festival de Punakha
O Butão surgiu no século 17, pelas mãos do sábio lama Ngawang Namgyal. Ele conseguiu unificar o quebra-cabeça de feudos que se espalhavam pela região, isolados do restante do mundo pela Cordilheira do Himalaia, e ao mesmo tempo proteger o país que se formava da invasão do Tibete. Se não fosse por ele, o pequeno reino hoje não estaria no mapa. 

Entre o céu azul celeste, o verde das florestas, rios formados pelo degelo dos Hymalaias e incríveis monastérios dependurados nas rochas das montanhas, o Butão preserva seu estilo de vida baseado nas leis do budismo. O povo butanês ou drukpa, como é chamado, mantém-se fiel ao rei, reverenciando-o quase como a um Buda. Vestindo roupas tradicionais, recebem os poucos visitantes permitidos pelo governo com um misto de timidez e curiosidade infantil, apresentando com alegria sua preciosa cultura, resguardada por uma geografia dramática e inspiradora.

Todos os anos, entre fevereiro e março, o país lembra suas raízes no Festival de Punakha, que dura uma semana. Nos primeiros dias, os butaneses encenam os enfrentamentos com os tibetanos no campo de batalha.

Eles revivem a história usando espadas, escudos e as coloridas roupas militares da época. O palco da festa são os pátios do imponente palácio que foi erguido em Punakha, a primeira capital, pelo próprio lama Ngawang Namgyal.

Nos últimos dias, o festival ganha um ar religioso. Punakha se transforma num ponto de peregrinação de monges budistas. As celebrações são comovedoras, com preces e belos espetáculos de música e dança

0 Comentário