Compartilhe
facebook twitter gplus mail

Safári com os gorilas em Uganda e Ruanda

13/06/2019

Regiões mundialmente conhecidas por abrigar os últimos gorilas-das-montanhas, a Floresta Impenetrável de Bwindi, em Uganda, e o Parque Nacional dos Vulcões, em Ruanda, proporcionam experiências inesquecíveis de contato com uma natureza praticamente intocada, além da oportunidade de ver esses animais fascinantes que, infelizmente, correm o risco de desaparecer devido a caçadores ilegais.


Floresta Impenetrável de Bwindi
Uganda

Declarada Patrimônio Natural da Humanidade pela Unesco, a Floresta Impenetrável de Bwindi está localizada no oeste de Uganda, próxima à fronteira com Ruanda e o Congo. O parque tem um papel importante na conservação da fauna e flora do país, através do contato com uma natureza autêntica. Trata-se de um cenário preservado com a maior diversidade natural da África Central, e ainda sem grande interferência humana. A exuberante floresta abriga uma variedade de árvores, plantas e animais que não se compara à maioria dos lugares da Terra - de borboletas e aves a grandes espécies de primatas, como os chimpanzés e os raros gorilas-das-montanhas, hoje criticamente ameaçados de extinção. Restam menos de 800 indivíduos em toda a África.

Em uma experiência única no mundo, é possível ver esses grandes primatas de perto e, até mesmo, interagir com alguns deles. O safári para ver os gorilas na região é feito a pé, seguindo trilhas que podem durar até seis horas pela mata adentro, mas que valem o esforço quando as famílias de gorilas são encontradas. O contato com os primatas através do turismo tem como objetivo conscientizar para a preservação da espécie, que sofre devido à caça ilegal. O interessante é observar - e fotografar - o comportamento desses animais, que lembra o nosso em diversos aspectos. Os pequenos brincam pelo chão coberto de folhas próximos aos mais velhos, enquanto as mães seguram seus bebês colados ao corpo. Já os machos-alfa exibem o porte físico com seus olhares sempre atentos a qualquer perigo. Fortes, inteligentes e, ao contrário do que se imagina, extremamente dóceis.

Onde ficar em Uganda
Sanctuary Gorilla Forest Camp

A última fronteira no que diz respeito à observação de animais selvagens em seu habitat natural fica nas montanhas de Uganda e é privilégio dos hóspedes do Sanctuary Gorilla Forest Camp, no Parque Nacional Impenetrável de Bwindi, patrimônio mundial da Unesco situado às voltas do espetacular Vale do Rift. O lodge proporciona a oportunidade de contato com os igualmente ternos gorilas-das-montanhas, além de poder obserservar mais de 200 espécies de aves e borboletas. Diariamente, grupos de seis pessoas, mais guias, podem ficar cara a cara com os maiores primatas da Terra em seu habitat por cerca de uma hora. A hospedagem oferece oito quartos espaçosos com facilidades como wi-fi e outras mordomias. Há spa e áreas de convívio compartilhadas. Não há nada similar.

Parque Nacional dos Vulcões
Ruanda

Ao sul de Uganda, dividindo a fronteira também com a Tanzânia, Burundi e Congo, Ruanda desponta como um país montanhoso, guardando um verdadeiro tesouro de fauna e de flora. Para quem deseja conhecer os animais da região, o Parque Nacional dos Vulcões, localizado ao longo das montanhas Virunga, é repleto de boas surpresas. A região foi a primeira a ser definida como parque protegido na África em 1929 e, graças à sua vegetação, possui uma beleza exuberante e até misteriosa. O parque abriga aproximadamente 300 gorilas-das-montanhas e, além desses fascinantes animais, é possível encontrar durante os safáris outras espécies de mamíferos, como o macaco dourado, búfalos, elefantes e 178 espécies de aves. Os amantes de trilhas também não podem deixar de fazer uma caminhada pelo Monte Bisoke, que contempla o topo de um vulcão inativo a 3 mil metros de altitude. Pelo caminho, fora os gorilas, dá para avistar a paisagem tomada pela vegetação que circunda o parque. Uma curiosidade é que o local foi campo de trabalho para as pesquisas da cientista americana Dian Fossey, que dedicou sua carreira ao estudo dos primatas.
 

Onde ficar em Ruanda
Bisate Lodge

O Bisate Lodge possui um projeto totalmente sustentável, com apenas seis cabanas integradas à floresta. Inspiradas na tradicional arquitetura ruandesa, as suítes exibem estruturas esféricas compostas por materiais naturais, como madeira, rocha vulcânica e bambu. As acomodações esbanjam sofisticação e conforto, com vistas espetaculares para os imponentes vulcões Bisoke, Karisimbi e Mikeno. O Bisate incentiva os hóspedes a participarem dos esforços de conservação da biodiversidade local, a ter contato com as comunidades locais e ainda a aprender mais sobre a situação dos gorilas-das-montanhas. 

Singita Kwitonda Lodge
Aberto em agosto de 2019, do lodge é possível observar ainda mais de pertinho os cerca de 320 gorilas que vivem nas florestas do Parque Nacional dos Vulcões, em Ruanda. A inauguração do Singita Kwitonda Lodge foi aguardada com ansiedade por quem não abre mão do capricho e do conforto das acomodações da rede sul-africana Singita. Em uma área de 178 hectares, bem próximo às florestas nebulosas de altitude onde vivem os gorilas, o Kwitonda Lodge foi projetado de maneira sustentável com materiais de origem local. No total, são oito suítes e uma villa com vistas privilegiadas dos vulcões da região.

One & Only Gorilla's Nest
Instalado bem no pé das montanhas de Virunga, no Parque Nacional dos Vulcões, o One & Only Gorilla's Nest é o mais novo lodge de Ruanda. O hotel conta com apenas 14 quartos e 7 sofisticadas suítes - decoradas com materiais reaproveitados e ecologicamente corretos -, todos envoltos pela exuberante floresta de Virunga, garantindo a máxima privacidade e o contato com a natureza preservada da região. E as experiências não poderiam ser mais incríveis, que vão desde percorrer as trilhas que levam a animais como os gorilas-das-montanhas e os macacos-dourados, ao Centro de pesquisa Karisoke, campo de estudos da cientista Dian Fossey. E, para relaxar após um dia de aventuras, à disposição está o Only&Only Spa, com tratamentos inspirados na sabedoria tradicional africana.

0 Comentário