Compartilhe
facebook twitter gplus mail

Os highlights da Costa Leste da Austrália

22/08/2019

A história da Austrália está intimamente ligada à dos EUA. Os britânicos só fixaram bandeira no remoto continente quando as colônias americanas se declararam independentes, no fim do século 18 – e, por isso, pararam de receber os prisioneiros mais perigosos do império. Foi na Costa Leste que a Austrália moderna nasceu. Mais especificamente, em Sydney, fundada como colônia penal, para o desterro dos criminosos. Em dois séculos, o mesmo litoral para o qual os britânicos torciam o nariz se transformaria num dos destinos de férias mais adorados do planeta. A área concentra, por um lado, duas metrópoles de incansável vida cultural (Sydney e Brisbane) e inúmeros parques temáticos e, por outro lado, florestas e praias exuberantes. No ponto onde o Trópico de Capricórnio toca a Costa Leste da Austrália, começa a Grande Barreira de Corais, que se estende em direção ao norte submersa nas águas claras do Pacífico.

Grande Barreira de Corais
Fixadas em rochedos submersos, plantas marítimas de formatos surpreendentes dançam ao sabor das correntes. Peixes coloridos passam o dia explorando esses “arbustos”. Como a água é cristalina, o mergulhador não perde nenhum detalhe da instigante vida aquática. Essa é a Grande Barreira de Corais, que repousa ao longo da Costa Leste da Austrália. “Grande” não é exagero. Com 2.300 km de extensão (a distância entre São Paulo e Natal) e 344 mil km2 de superfície (superior à área da Itália), é o maior recife do planeta. A Grande Barreira resulta de um paciente trabalho da natureza. Os corais são minúsculos invertebrados que se agrupam em colônias e se protegem secretando um esqueleto de calcário ao seu redor. As criaturas morrem, mas o exoesqueleto permanece. Sobre ele, novas colônias se formam. Foi assim que se ergueu, em milhares de anos, a fascinante muralha submarina.

Vida marinha
Pelos rochedos de calcário da Grande Barreira, avistam-se peixes de toda sorte: indivíduos solitários e cardumes populosos, espécies monocromáticas e exemplares multicoloridos – como os encantadores peixe-palhaço e peixe-borboleta. Há, ainda, cavalos-marinhos, moreias, raias, tartarugas, golfinhos e até baleias. Por ser generosa em abrigo e alimento, a Grande Barreira guarda a maior biodiversidade marítima do planeta.

Como explorar
A Grande Barreira de Corais pode ser explorada de três ângulos: de dentro da água, em mergulhos com snorkel ou cilindro (há expedições tanto para profissionais quanto para novatos); sobre o mar, a bordo de barcos com casco de vidro, que permitem enxergar a natureza submersa; e até mesmo das alturas, em saltos de paraquedas e sobrevoos de hidroavião ou asa-delta. De cada perspectiva, a Grande Barreira revela uma beleza particular.

Ilhas da Grande Barreira de Corais
As ilhas da Costa Leste são o melhor ponto de partida para explorar a Grande Barreira. A Lizard Island e a Hayman Island são paradisíacas. Tanto numa quanto na outra, há apenas um resort, que é cercado de mata nativa e praias de areia clara. Na Hamilton Island, mais agitada, os visitantes mergulham, velejam, jogam golfe e passeiam pela marina, com restaurantes e boutiques. A Hayman Island e a Hamilton Island fazem parte do Arquipélago Whitsunday.

Gold Coast e arredores
O destino de férias favorito dos australianos é a Gold Coast, uma sucessão de praias que se espalham ao longo da ensolarada porção central do litoral pacífico. Entre uma praia e outra, surgem bucólicas vinícolas, que oferecem degustação dos vinhos locais, ainda pouco difundidos, e também santuários da vida selvagem, que permitem conhecer bem de perto exemplares da exótica fauna australiana, como o ornitorrinco, o coala e o canguru. Na região da Gold Coast, estão os parques temáticos mais vibrantes do país. São mais de 20 “mundos” de aventura, como o Dreamworld, o Sea World e o Warner Bros. Movie World. Rumando para o norte, num caminho margeado por florestas densas e úmidas, chega-se a Brisbane. A metrópole se espalha pela beira de uma grande baía e oferece um sem-fim de atividades ao ar livre e uma incansável vida cultural.

Brisbane
Em Brisbane, a vida é mais agitada em South Bank, espécie de parque à beira do rio que concentra uma extraordinária variedade de museus, galerias de arte, teatros, restaurantes, cafés e boutiques, além de uma roda-gigante panorâmica e uma simpática prainha artificial. Nos fins de semana, uma atração torna o movimento ainda maior: o moderno e eclético The Collective Markets, com suas lojinhas de arte, fotografia, decoração, joias e roupas.

Lord Howe Island
A menos de duas horas de avião de Sydney e Brisbane, esconde-se uma ilha rodeada por um recife de corais e formada por matas verdejantes, montes vulcânicos, belas praias e uma laguna de água cristalina. É a pequena Lord Howe Island. O ambiente é ideal para nadar, mergulhar, remar, surfar e pescar. A vista do topo do Monte Gower é de tirar o fôlego. Para proteger a natureza, a ilha não recebe mais de 400 visitantes ao mesmo tempo.

Byron Bay
Na vila costeira de Byron Bay, o céu permanentemente aberto convida para o contato com a natureza. Pode-se pedalar até o farol na colina, saltar de paraquedas, voar em balão de ar quente, remar em caiaque, observar baleias, nadar entre destroços de navios, tomar aulas de surfe ou simplesmente relaxar na areia. Os locais gostam de frisar que Byron Bay é a cidade da Austrália continental mais próxima das Américas.

0 Comentário

Onde ficar em Gold Coast