Compartilhe
facebook twitter gplus

Uma visita guiada ao Instituto Tomie Ohtake

15/04/2020

Este é um momento para cuidarmos um do outro, para estarmos com a família e aquietarmos a mente. Para viajar, nem sempre precisamos sair de casa. No projeto Viaje Sem Sair de Casa, reunimos conteúdos superbacanas para você aproveitar com a família. Que tal conhecer o que cada destino tem de mais interessante? Da gastronomia a dicas de filmes e livros - tudo o que você precisa pra curtir um pedacinho do mundo na sua própria casa e conhecer outros lugares sob novas perspectivas. Boa viagem!

 

Visita guiada à exposição Lumina no Instituto Tomie Ohtake, em São Paulo

Confira a visita guiada na exposição LUMINA, de curadoria de Priscyla Gomes, feita pela artista e autora das obras Mariana Palma explicando as obras e o contexto expositivo. Inspirada no mito de Orfeu, LUMINA é metaforicamente a luz que emana dos olhos dos apaixonados Orfeu e Eurídice.

A visita guiada pela própria artista parte da intenção de levar arte até a casa das pessoas uma vez que o Instituto Tomie Ohtake está fechado para o público neste momento. 

Lumina, 2020 . Instituto Tomie Ohtake, São Paulo, Brazil. Vista da exposição. Foto Filipe Berndt / Divulgação

Das muitas narrativas e interpretações que perpassam a história da literatura, da música e das artes visuais, o mito de Orfeu é sem dúvida um dos mais presentes e revisitados. Na tradição clássica esse personagem surge como um exímio poeta e cantor cuja destreza seria o ponto chave de seu encanto. A exposição vale-se da narrativa do mito de Orfeu para conduzir um percurso pela produção da artista paulistana Mariana Palma. Como em uma série de atos, tal qual uma ópera adaptada, o visitante percorre diversos momentos de seu trabalho tendo como nortes suas usuais referências imagéticas e compositivas.

Explorando elementos provenientes da botânica, de estampas, organismos marítimos e fragmentos arquitetônicos, Palma aborda a interpenetração de corpos, destaca alternâncias entre instantes de tensão e expansão, e compõe infindáveis universos frutos da exploração de luz e sombra. Utilizando inúmeros suportes, Palma associa a gramática da pintura barroca a colagens e registros digitais. Tal qual a lumina que define os mais pujantes encontros, nosso deparar com a produção da artista não resulta esquivo. Somos imersos numa poética sedutora e ansiamos pelo desvelar de suas camadas.

Lumina, 2020 . Instituto Tomie Ohtake, São Paulo, Brazil. Vista da exposição. Foto Filipe Berndt / Divulgação

Sobre a artista

Formada em Artes Plásticas pela Fundação Armando Alvares Penteado - FAAP, a artista paulistana Mariana Palma tem participado de exposições individuais e coletivas, destacando-se: 2017 A Luz que Vela o Corpo é a Mesma que Revela a Tela, Caixa Cultural, Rio de Janeiro; 2016 Máquina do Mundo - Obras da Coleção Fabio Szwarcwald, Z42 Arte, Rio de Janeiro; 2015 Saideira, Casa Triângulo, São Paulo; Piece by Piece - Building a Collection, Kemper Museum of Contemporary Art, Kansas, USA; 2014 Casa Triângulo no Pivô, Pivô, São Paulo; 2012 Deságue, Casa Triângulo, São Paulo; This is Brazil! 1990-2012, Palacio de Exposiciones y Congresos, A Coruña, Espanha; 2011 Os Primeiros Dez Anos, Instituto Tomie Ohtake, São Paulo, SP.

 

Conheça um pouco mais sobre o seu trabalho na Casa Triângulo. 

0 Comentário