Compartilhe
facebook twitter gplus mail

Belize: pequeno notável

13/08/2019

Por Karina Oliani. Especial para a The Traveller. 

Enquanto o sol se unia ao oceano no horizonte, resolvemos recolher as velas do nosso veleiro para poder apreciar o espetáculo bem ali, naquele canto paradisíaco chamado Caye Caulker. Depois de um dia inteiro de mergulhos entre golfinhos e formações geológicas impressionantes, parecia que nada poderia deixar aquele momento ainda melhor. Mas eis que o capitão do barco se aproximou trazendo um ceviche, preparado ali na hora, com um peixe que tinha acabado de ser pescado. Nós ainda não sabíamos, mas aquela não seria a única vez que Belize iria nos surpreender durante a viagem. Na verdade, seria apenas o começo.

Sendo um dos menores países continentais da América Central, situado entre México e Guatemala, Belize foi para mim uma sucessão de descobertas. E de boas surpresas. Esta nação que tem uma população de pouco mais de 320 mil habitantes, num território que pode ser cruzado em apenas 3 horas de carro, traz em sua origem e cultura muitos ingredientes superlativos. O inglês como língua oficial, herança da colonização britânica, dá ao lugar um ar mais afro-jamaicano do que latino. O povo amável e com extremo orgulho de sua herança ancestral maia nos fez sentir em casa assim que pousamos em Belize City. Banhado pelo Mar do Caribe, Belize costuma inspirar o visitante a alcançar uma genuína conexão com a natureza. E isso não é de hoje: os primeiros a chegar foram os maias, por volta de 1500 a.C., criando assentamentos como Caracol e Xunantunich. A cultura e os mistérios maias, aliás, são atrativos imperdíveis em um país reconhecido, também, pela diversidade de experiências em meio à sua riquíssima biodiversidade. 

Mergulho: Belize tem um litoral lembrado internacionalmente como um dos mais preservados do Caribe

Paraíso de mergulhadores
Como mergulhadora, minha vontade de conhecer Belize vinha de muitos anos. Afinal, eles têm um litoral lembrado internacionalmente como um dos mais preservados do Caribe (onde até mesmo algo trivial como um barco jogar uma âncora ao fundo do mar, é proibido). Comecei logo conhecendo o famoso Great Blue Hole, uma formação natural que pode ser vista do espaço. Originalmente, era um abismo seco, com seus mais de 125 metros de profundidade. Depois da quarta era glacial, inundado pelo oceano, teve seu interior tomado pela vida marinha. Fica localizado a 70 quilômetros da costa, em mar aberto, e é hoje Patrimônio Mundial da Unesco. Mergulhar nesse local é algo indescritível. Um tipo de experiência que em mais de 25 anos de mergulho, nunca tinha vivido. Belize também conta com inúmeros manguezais, atóis e bancos de areia, isso sem falar na maior barreira de corais do Hemisfério Norte. Outra atração é mergulhar com o manatee, também conhecido como peixe-boi marinho. Um mamífero em risco de extinção que, apesar de seu tamanho (cada um pode pesar até 6 toneladas), é extremamente delicado e dócil.

 

Praias, cachoeiras, florestas, cavernas e água fresca
Tão rico em biodiversidade, não é de se estranhar que o país seja quase todo protegido, com diversas reservas naturais e parques nacionais – suas densas florestas tropicais cobrem cerca de 70% de todo o território. E é nesse ambiente preservado que a maioria dos passeios acontece, entre inúmeras opções, de florestas a cavernas, como a Che Chem Ha e a Actun Tunichil Muknal, conhecida como ATM Cave. As duas são essenciais por seus componentes arqueológicos, como cerâmicas intactas e até esqueletos. Esses esqueletos são, segundo estudos, heranças dos rituais do povo maia, que considerava as cavernas como as verdadeiras casas dos deuses. As trilhas com cachoeiras também são uma atração à parte. A Cachoeira Maya King, a caminho de Placência, é uma das mais lindas (e geladas) que visitei – com acesso fácil após apenas 10 minutos de caminhada na mata. Belize conta também com quase 300 quilômetros de litoral, recheado com  as mais belas praias de areia branca que sua mente conseguir imaginar. Aí, vale explorar cada uma delas, com passeios de barco sem pressa, inclusive para conhecer as diversas ilhotas espalhadas por todo litoral do país.

Altun Ha e a cultura maia ainda viva
Belize tem muito bem preservado seu passado, ligado a uma das maiores civilizações da história: a do povo maia. O sítio de Altun Ha é um desses lugares. O local reúne templos e pirâmides que datam de 600 a.C. Construções que desafiam a engenharia moderna e que ainda hoje intrigam especialistas pela sua complexidade estrutural, edificadas numa época com poucos recursos e tecnologia limitada. Usado para festas e também como local de sacrifícios aos deuses, esse complexo arqueológico, com duas praças e cerca de 13 templos escavados, marca o lugar onde foi encontrada a Cabeça de Jade, o maior tesouro maia de Belize: uma escultura que representa o deus do sol Kinich Ahau, esculpida em jade. Além de Altun Ha, em outras regiões não é incomum encontrar peças antigas de cerâmica ou ouvir que uma colina distante é na verdade um templo. As atividades para conhecer esse legado cultural têm jeito de aventura em busca dos vestígios arqueológicos do que já foi uma das civilizações mais desenvolvidas do mundo e que podem ser encontrados em lugares como Caracol, Xunantunich, Lamanai e Lubaantun.

 

Belize de todos os gostos
Com culinária rica em frutos do mar e gostos genuinamente caribenhos, Belize traz ótimas opções gastronômicas. O destaque é para suas duas principais temporadas de iguarias: a de lagosta e a de conch (um molusco típico do Caribe, que vive dentro de uma concha). Quando se come um, não se come o outro. Vale o passeio até o Koko King, restaurante na ilha de Caye Caulker. Ao lado da fogueira acesa, com pé na areia, temos a vista de cor intensa do mar azul-turquesa, enquanto provamos pratos típicos locais. Imperdível o Seaweed Shake, drinque de algas marinhas com leite condensado, canela, noz moscada, uma dose de rum. E um sorriso no rosto.

Quando ir
Dezembro a maio é o período ideal pra visitar Belize. O clima é ameno, sem grande incidência de chuva, o que privilegia as atividades de mergulho.

 

Como ir
A Copa Airlines tem voos para Belize a partir de sete destinos brasileiros: São Paulo, Rio de Janeiro, Belo Horizonte, Brasília, Recife, Porto Alegre e Manaus. A companhia, que agora reserva dois voos semanais a partir do Brasil para o país da América Central, mantém as conexões no seu moderno hub da Cidade do Panamá.

 

Onde ficar
Turtle Inn
O Turtle Inn é daqueles resorts perfeitos para relaxar em meio a paisagens exuberantes. Propriedade do cineasta Francis Ford Coppola, possui apenas 25 quartos com vista para o mar caribenho, além de estar a curta distância de uma vila de pescadores. Belize é um ótimo destino para mergulho, já que conta com um variado bioma marinho. Na gastronomia, o restaurante Mare, exclusivo para os hóspedes do hotel, é especializado na culinária italiana, com foco em frutos do mar frescos.

0 Comentário

Onde ficar em Hotéis em Belize