Compartilhe
facebook twitter gplus mail

Museus de Nova York para visitar no inverno

30/11/2018

Museus nova-iorquinos proporcionam atrações, exposições e cursos durante o inverno para públicos de todas as idades. Selecionamos 4 para colocar na agenda.
 

American Museum of Natural History

Primeiro lugar que vem à cabeça quando o assunto é a história da Terra, o Museu Americano de História Natural é um dos maiores e mais completos museus do mundo. Fica localizado bem ao lado do Central Park, abrange quatro quarteirões e conta com quatro pisos repletos de coleções que recriam a trajetória da vida no planeta através de uma vasta coleção de fósseis - como o famosíssimo Tiranossauro Rex, um dos ícones do museu - , animais taxidermizados, representações das tribos nativas americanas e um salão inteiro dedicado à vida marinha, incluindo um modelo em tamanho real de uma gigantesca baleia azul. O Museu também possui diversas exibições interativas, como a que acontece no Rose Center, que destaca a formação da Terra e do Espaço com rochas, meteoritos e pedaços reais da lua retirados na Missão Apollo 11.

Nos meses de inverno, o Museu programou atrações voltadas para todas as idades, como a “Discovery Room”, que acontecerá todas as manhãs e ensinará ciência às crianças de forma itinerante através do contato com fósseis e quebra-cabeças. Além disso, dezembro, janeiro e fevereiro estão repletos de cursos e workshops sobre Evolução, fauna marinha e ilustração de animais. Mais informações aqui.

Museu Americano de História Natural

International Center of Photography

Fundado em 1947 pelo fotógrafo húngaro Cornell Capa, o ICP é um museu focado em exposições fotográficas de cunho social e político. Mesmo assim, já expôs trabalhos de temas diversos, como viagens - uma das exposições mais visitadas foi sobre o cotidiano da Índia, do fotógrafo da National Geographic Steve McCurry, autor da famosa imagem da menina afegã de olhos verdes. Já a expo “Generation Wealth”, da fotógrafa e documentarista Lauren Greenfield, argumentou sobre status e lifestyle das celebridades dos Estados Unidos e do mundo. A galeria proporciona um espaço tranquilo e contemplativo em meio ao movimentado centro de Nova York.

Dezembro é o último mês da exposição “The Run Of Time”, do fotógrafo Eugene Richards - cujo estilo poético está profundamente enraizado nas experiências de sua carreira de mais de cinquenta anos. A amostra tem como objetivo propor uma reflexão sobre os aspectos mais profundos da experiência humana, confrontando assuntos difíceis de forma desafiadora, lírica e melancólica. O mês de janeiro é a oportunidade para conhecer a exposição “Mirage 24: Celebrating 20 Years”, que comemora os 20 anos da escola de fotografias do museu, com exposição de trabalhos de alunos e ex-alunos em uma representação da beleza da vida cotidiana na esperança de um futuro melhor. Mais informações aqui.

O New Museum, na rua The Bowery

New Museum

O New Museum chama a atenção pela sua diferente estrutura, simulando blocos brancos empilhados em desordem, que foi projetada pelos arquitetos japoneses Kazuyo Sejima e Nishizawa, recebendo o prêmio Pritzker de Arquitetura em 2010 e nomeada uma das “50 empresas mais inovadoras do mundo” pela Fast Company em 2016. Localizado na rua The Bowery, sul de Manhattan, o museu tende a patrocinar artistas menos conhecidos e foca na exibição de obras modernas. Exposições recentes contaram com obras da pintora australiana Helen Johnson e do cientista Kahlil Joseph.

Nos próximos meses, o New Museum exibe a exposição “New Perspectives Tours”, com obras de arte contemporâneas e abstratas, bem como a exibição e eventos sobre obras com a participação de artistas que lutam pela causa LGBT. Mais informações aqui

Jewish Museum, com seu edifício de arquitetura clássica

Jewish Museum

O Museu Judaico é um dos mais antigos do gênero do mundo e o primeiro museu a abordar a arte e a cultura judaica para pessoas de todas as origens nos Estados Unidos. São mais de 30.000 obras de arte, objetos cerimoniais e de mídia que refletem a trajetória dos judeus ao longo de quatro mil anos, incluídas em algumas das exposições consideradas as mais importantes dos séculos 20 e 21, exibindo objetos arqueológicos, obras famosas de artistas como o russo Marc Chagall, o cineasta norte-americano Man Ray, além de projetos dinâmicos - o local propõe programas de educação através de palestras, workshops e apresentações para toda a família. A proposta é representar a diversidade das raízes judaicas, abrindo espaço para o diálogo intercultural.

Dezembro começa com as exposições “The Politics of Abstraction”, que exibe trabalhos abstratos sobre a Revolução Russa do começo do século 20, além de concertos musicais, aulas de arqueologia para crianças e o workshop de arte, que acontecerá durante a semana do Natal. Mais informações aqui.

 

0 Comentário