Compartilhe
facebook twitter gplus mail

A combinação suíça entre Zurique e Lucerna

05/04/2019

Não é novidade que a Suíça pode ser vista a partir de três principais regiões: francesa, alemã e italiana. O mais legal é que a versatilidade do país também pode ser explorada pela mistura entre cidades vibrantes e tranquilas. É o caso de Zurique e Lucerna, que juntas proporcionam uma deliciosa combinação para quem vai visitar o país – que de maio a outubro passa pela sequência verão – outono, com temperaturas um pouco mais elevadas. 

Zurique

A maior cidade da Suíça. Situada às margens do lago de mesmo nome e cortada pelo Rio Limmat, Zurique não esbanja apenas em áreas com água. Sua cena artsy impressiona com mais de 150 museus e galerias de arte. A relação da cidade com a arte é muito conhecida por conta do seu papel na história do Dadaísmo. Zurique é o berço desse movimento artístico, surgido em 1916 e que serviu de inspiração para o Surrealismo, que começou na França quatro anos depois. Uma forte herança dessa história é o Cabaret Voltaire, fundado, também em 1916, como uma casa noturna - foi um dos espaços responsáveis pelo desenvolvimento do Dadaísmo na Suíça. Hoje, funciona como um centro cultural.

Arte

Zurique torna praticamente impossível a tarefa de selecionar apenas alguns locais entre tantos espaços dedicados à arte. Ainda assim, alguns nomes merecem ser citados e estão entre os destaques em um roteiro artístico por lá. Se a ideia é apreciar obras de nomes como Van Gogh, Monet, Manet e Matisse, o Kunsthaus Zürich é visita obrigatória. Agora, se o interesse for maior por design e arquitetura, há o Pavillon Le Corbusier, museu dedicado ao arquiteto suíço naturalizado francês Le Corbusier, uma das principais inspirações para o arquiteto brasileiro Oscar Niemeyer, e o Museum für Gestaltung Zürich, muito voltado para o design industrial. Para romper fronteiras culturais, o Museum Rietberg é o único museu suíço que não se dedica à arte europeia, com um acervo que exibe obras da Ásia Oriental e África, incluindo algumas das primeiras esculturas budistas da China, datadas dos séculos 6 e 7. Por fim, o Museum of Digital Art é ótima opção para quem ama tecnologia e exposições interativas, totalmente voltadas para tudo que envolve o universo digital.

Onde comer

Kaiser's Reblaube

Instalado em uma casa que data de 1260, na área conhecida como “cidade antiga” e em frente à igreja St. Peter, o restaurante Kaiser's Reblaube é dono de um menu inspirado nos sabores da tradicional gastronomia suíça, com toques contemporâneos. No local, ainda há uma seleção com os melhores vinhos suíços.

Heugümper

Ainda que o ambiente do Heugümper seja mais clássico, sua culinária inventiva proporciona pratos preparados a partir de receitas contemporâneas. O restaurante privilegia a combinação entre as cozinhas asiática e mediterrânea, além de contar com uma carta de vinhos com títulos conceituados. 

Onde ficar

Baur Au Lac

O hotel Baur Au Lac está instalado em um parque paisagístico particular. Ele conta com algumas suítes com objetos inspirados na Art Déco e mobiliário de época francês. Outro atrativo é a vista: estão voltadas para o Lago de Zurique e os Alpes. Já na gastronomia, o destaque é o restaurante de culinária francesa Pavillon, dono de duas estrelas no Guia Michelin.

Lucerna

Menor e menos movimentada, Lucerna está a pouco menos de 50 minutos de carro ou trem da vizinha Zurique. Parte do charme da cidade está justamente em seu tamanho. São apenas cerca de 80 mil habitantes (para se ter uma ideia, Zurique tem por volta de 400 mil). Lucerna é dona de ruas estreitas e exclusivas para pedestres, pontes históricas que atravessam o Rio Reuss, muralhas medievais e igrejas que tornam o destino indispensável para os amantes de arquitetura. O monumento mais famoso por lá é a Wasserturm, uma torre octogonal com mais de 34 metros de altura, construída por volta de 1300. Ao lado, a Kapellbrücke, uma ponte de madeira com cerca de 200 metros de extensão. As duas juntas formam o principal cartão postal da cidade.

Arte

Preservando o perfil artístico de Zurique, Lucerna também proporciona museus e ainda dá uma verdadeira aula de arquitetura com suas igrejas históricas. Dois nomes importantes foram fundamentais para a atual cena artsy de Lucerna, o comerciante de arte suíço Siegfried Rosengart e sua filha, Angela Rosengart. As obras pós-impressionistas e modernistas que eles reuniram deram origem ao museu Rosengart Collection, que tem em seu acervo pinturas e esculturas de nomes como Cézanne, Seurat, Renoir, Vuillard, Matisse, Braque e Picasso. Já o Kunstmuseum Luzern é totalmente dedicado às artes visuais. O espaço celebra incríveis 200 anos de história em 2019! Já entre as principais igrejas estão a Jesuitenkirche, primeira igreja de arquitetura barroca, construída no século 16, em toda a Suíça, e as igrejas Franziskanerkirche, construída no século 13, e Hofkirche, erguida no século 17, ambas de arquitetura gótica.

Onde comer

Old Swiss House

Que tal a deliciosa combinação entre culinária suíça e vinhos franceses? O restaurante Old Swiss House tem inspiração na culinária local e conta com uma adega com títulos, principalmente, da região de Bordeaux.  E tem mais: a adega do restaurante dispõe de impressionantes 30 mil garrafas!

Wirtshaus Galliker

A família Galliker está à frente do Wirtshaus Galliker há mais de quatro gerações. O restaurante tem inspiração em uma taverna e serve pratos da tradicional cozinha suíça, preparados a partir de produtos sazonais e da região.

Onde ficar

Hotel Schweizerhof Luzern

O Hotel Schweizerhof Luzern está instalado a poucos passos do Lago de Lucerna, no centro da cidade, e tem a família Hauser à frente há mais de 150 anos. Suas suítes, que já abrigaram nomes como o compositor alemão de música clássica Richard Wagner, e o escritor russo Leo Tolstoy, são decoradas individualmente e exibem objetos de design selecionados. Já no spa, os hóspedes têm à disposição tratamentos para o rosto e corpo, muitos realizados a partir da infusão de flores, enquanto na gastronomia, o destaque é o restaurante VILLA Schweizerhof, onde o chef Marcel Ineichen serve pratos da culinária local em um jardim, com vista para o lago.
 

0 Comentário