Compartilhe
facebook twitter gplus mail

Masp prepara exposição de Basquiat

17/08/2017

Após 20 anos da sua primeira exposição no Brasil, o artista afro-americano Jean-Michel Basquiat volta a ficar em evidência com o anúncio de uma nova mostra no país, desta vez no Museu de Arte de São Paulo, o MASP, prevista para entrar em cartaz no primeiro semestre de 2018. Serão cerca de 40 obras expostas, com foco em personagens e histórias africanas. 

Ao sair de cena prematuramente aos 27 anos, em 1988, talvez Basquiat não tivesse consciência da importância e proporção que sua obra tomaria nos anos seguintes. Inquieto e multitalentoso, ele transitava por várias vertentes artísticas – era também cantor, músico e compositor -, mas foi com seus grafites nas ruas de Nova York que conseguiu notoriedade. Primeiro na cena underground, depois, a partir da amizade com o Andy Warhol e o namoro com a cantora Madonna, timidamente surgindo em pequenas galerias de arte alternativas e independentes.

No início da década de 1980, suas pinturas provocativas, impregnadas de críticas sociais, levavam a assinatura de “Samo” e aguçavam a curiosidade de quem transitava pelas ruas do SoHo nova-iorquino. O sucesso de crítica e seu nome como destaque entre os jovens artistas norte-americanos veio mesmo em 1985, quando a revista do jornal New York Times dedicou capa e uma ampla matéria sobre ele. Nos anos seguintes, Basquiat deixou ter somente os muros de Nova York como palco de expressão e passou a realizar exposições em museus dos Estados Unidos e da Europa, sempre evidenciando um estilo figurativo próprio, às vezes rotulado de neo-expessionista. 

 

Jean-Michel Basquiat (Foto Divulgação/Lizzie Himmel)
0 Comentário

Comentários com conteúdo impróprio e/ou spam poderão ser removidos.